Pular para o conteúdo principal

Le Jazz Brasserie - Pinheiros - São Paulo

São Paulo, Junho de 2017

A capital paulista é nacionalmente conhecida pela farta oferta cultural e também reina quando o assunto é gastronomia. Comentei no post anterior que havia viajado a trabalho no início do mês de Junho para São Paulo e devido ao pouco tempo livre não tive oportunidade de conhecer nada da cena cultural da cidade. Por outro lado, como saco vazio não para em pé, e para comer sempre se arruma tempo, tentei conhecer um restaurante e outro durante os jantares...


O primeiro que vou destacar é o Le Jazz Brasserie que fica no bairro de Pinheiros bem perto de onde eu estava hospedado.... Como o nome já diz, o Le Jazz é um restaurante que respira Jazz! A trilha sonora do jantar conta com clássicos de astros desse gênero musical como John Coltrane, Miles Davis, Nat King Cole, Ella Fritzgerald etc.... 

O ambiente tem luz baixa e as paredes são enfeitadas com quadros contendo fotos dos mesmos artistas que citei acima.... 

O Jazz é americano mas o "Le" e o "Brasserie" vem do francês assim como a proposta gastronômica do restaurante! Quando cheguei não consegui mesa de cara e fui conduzido para o bar que eles chamam de "Le Jazz Petit" e fica bem ao lado do salão principal. Antes de completar cinco minutos de espera, recebi um SMS no meu celular informando que já havia mesa liberada pra mim. 

Ao sentar, já fui recebendo uma garrafa de vidro, transparente, estampada com a palavra EAU (água em francês) e indicando que ali continha 50cl notação comumente usada na Europa para expressar os nossos familiares 500ml. É comum em restaurantes em Paris o oferecimento de água potável gratuitamente para acompanhar as refeições nos restaurantes e o Le Jazz Brasserie segue essa tradição. 

Interessante que pelo menos até o momento em que eu estive em São Paulo o oferecimento de água potável sem custo ao consumidor não era obrigatório na cidade. No Rio por exemplo já é lei há algum tempo.

John Coltrane e eu no Le Jazz Brasserie
Garrafa d'agua cortesia - Le Jazz Brasserie



Le Jazz Brasserie Pinheiros
Pulei a entrada e fui direto pro prato principal! Pedi um filet au poivre que por sinal estava bem puxado na pimenta! Se você prestar bem atenção no entanto, eles avisam isso no cardápio. Vem escrito assim: "filé com MUITA pimenta!" bem embaixo do nome do prato. 

Acompanham o filé, um pouco de espinafre e um punhado de batatas fritas bem torradinhas! Para tomar, uma taça de vinho, aquela da foto no início do post numa taça que inclusive leva a marca Le Jazz. O vinho foi um cabernet sauvignon chileno, do valle de colchagua, que quase se acovardou frente a tanta pimenta! rs

Meu filet au poivre no Le Jazz Brasserie
A sobremesa foi escolhida pela Bea.... mas calma, eu realmente estava sozinho. Mandei a foto do cardápio pra ela e ela escolheu pra mim via whatsapp.... Foi o Mousse de Yaourt Citronée ... um copinho de mousse de iogurte (???) com um toque de limão siciliano coberta com um coulis de framboesa e suspiro esmigalhado... bastante interessante e refrescante! Escrevendo esse post inclusive descobri que esse coulis é o mesmo usado para fazer Panna Cotta.... uma outra sobremesa que também experimentei em viagem em 2017 e espero contar em breve aqui no blog....


Como sempre faço, pedi um café junto com a sobremesa.... e não foi qualquer café. Foi provavelmente a estrela da noite junto com os astros do Jazz insistiam em tocar entre uma garfada e outra...rs 

O nome no cardápio era Blend Le Jazz por Isabela Rasposeiras... perguntei pro garçom o que seria esse blend e ele me explicou que era a mistura de grãos selecionados de três fazendas diferentes... Pedi esse mesmo e não me decepcionei! Que café maravilhoso! Um dos melhores que me lembro ter tomado na vida! Um dos mais marcantes! Parabéns Isabela Rasposeiras! Nunca te vi, sempre te amei! Que seleção! :)


Foi isso! Experiência muito bacana no Le Jazz Brasserie! Quem sabe um dia abre no Rio?

Abcs

Renato Vieira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vinícolas em Santiago: Viña Aquitania

Santiago, Abril de 2015

A Viña Aquitania foi a segunda vinícola que conhecemos em Santiago. Assim como a Concha y Toro, fica bem afastada do centro da cidade mas pode ser acessada com certa facilidade com a combinação metrô e táxi. A estação mais próxima da Viña Aquitania é a estação Quilin, na ruta verde do metrô santiaguino.
Diferente da Concha y Toro, a Viña Aquitania é pequena e desconhecida até mesmo para muitos chilenos. O primeiro taxista que pedimos pra nos levar lá nem sabia da existência dessa vinícola. Fundada por enólogos franceses da região de Bordeaux, a Aquitania produz somente vinhos Reserva e vinhos Premium e tem produção limitada tendo como foco sempre a qualidade ao invés da popularidade e produção em massa. Ainda assim, a maior parte da pequena produção é exportada para países na Europa e para os Estados Unidos. Descobri a Viña Aquitania quando pedi dicas do Chile a Madu, uma colega de trabalho, que também gosta de vinhos e tinha visitado essa casa durante uma via…

Uma tarde em Colonia del Sacramento - Uruguai

Buenos Aires / Colonia del Sacramento, 15 de Fevereiro de 2013

Colonia del Sacramento. Esse é o nome da cidadezinha uruguaia distante 1 hora de Buenos Aires pelo Rio de la Plata, navegando no Catamarã rápido da Buquebus. Na verdade existem outras companhias de barco que fazem essa rota como a Colônia Express, por exemplo. Escolhi a Buquebus que é a maior e mais popular. A proximidade com Buenos Aires e o fato de Colonia ser bem pequena, favorecem e viabilizam um bate-volta no mesmo dia. Decidi chegar lá no Uruguai na hora do almoço e voltar a noite.
A passagem comprei pela internet ainda no Brasil. Existem promoções pra quem volta no mesmo dia. Apesar de sermos todos "hermanos", achei o processo de emigração e imigração no terminal do Buquebus bem sério. Entrei num guichê onde um oficial portuário argentino carimbou minha saída do país e, logo em seguida, na cadeira ao lado, um oficial portuário uruguaio me fez perguntas simples e carimbou minha permissão de entrada no Urugu…

Pinguinera - Ilha Martillo - Ushuaia

Quando saímos do porto de Ushuaia ontem depois do passeio de barco pelo Canal Beagle, Simona e Inbal me disseram que tinham planos de ir até a Laguna del Caminante no dia seguinte, bem cedo, hitchhiking, ou seja, pedindo carona para desconhecidos na estrada. Apesar de admirar muito esse espírito aventureiro delas, falei que talvez não fosse até porque poderia atrasá-las já que na minha cabeça dar carona pra duas meninas seria bem mais fácil do que dar carona para um marmanjo. Peguei o contato delas, nos despedimos e fui pro albergue ver o que faria no dia seguinte.
Ushuaia, Tierra del Fuego, 6 de Fevereiro de 2013

Decidi visitar a Ilha Martillo (nome visto nos mapas) ou Ilha Yécapasela nome original indígena. De especial nessa ilha, nada mais nada menos que uma colônia gigante de pinguins! Assim como os leões marinhos de ontem, pinguins são outros animais míticos para nós brasileiros que, desde a nossa infância, só os vemos pela TV! Nesse passeio, finalmente, teria a oportunidade de …

A busca pelo peixe perfeito em Pipa

Pipa-RN, Maio de 2016

Já nos últimos dias de Argentina pensávamos bastante na nossa volta ao Brasil e principalmente na  nossa chegada ao Nordeste... Pensávamos em o quanto seria gostoso poder comer um bom peixe de água salgada depois de quase duas semanas comendo carne vermelha... Desde o nosso primeiro dia em Pipa fomos então a busca desse tão desejado peixe e graças a Deus a oferta era tão grande quanto a nossa vontade! :) Encontramos alguns muito bons, outros normais mas apenas um PERFEITO! Importante é que terminamos nosso período em Pipa realizados nesse quesito! Para registro, aqui vão dois lugares onde comemos um bom peixe por lá:


Caxangá - Esse restaurante fica bem na praia e serve uma variedade de pratos para além do nosso desejado peixe! Bem tradicional em Pipa, o restaurante faz questão de anunciar através de plaquinhas os nomes de famosos que já comeram por ali... Por ligar muito pra isso (para não dizer o contrário) no momento em que estou escrevendo esse post s…

Café Colombiano em Bogotá

Bogotá, Abril de 2015
Juan Valdez
A Colômbia é o terceiro maior produtor de café do mundo perdendo apenas para o Brasil e para o Vietnã.  No quesito orgulho de seu café no entanto, os colombianos são os primeiros colocados. Eles têm total fascínio pelo café nacional. Por ser uma cidade com temperaturas mais baixas e concentrar grande quantidade de empresas e prédios de departamentos públicos, Bogotá tem várias lojas de café espalhadas pela cidade que estão sempre cheias principalmente durante a manhã, após o almoço e no final de tarde. O mais legal disso tudo é que a loja de café mais popular e com mais franquias / unidades na cidade não é a americana Starbucks e sim a Juan Valdez, um coffee shop 100% colombiano que comercializa café colombiano e foi criado pela própria associação colombiana de produtores de café tendo como sua bandeira principal a valorização e divulgação do café nacional.



Demorei alguns dias para encontrar um Starbucks em Bogotá (não que estivesse procurando).…